Twitter, Facebook e blogs para a pregação do Evangelho de Jesus Cristo

Já lá se vão uns 15 anos da consolidação da internet como meio de comunicação, interação e informação. O advento do universo virtual, primeiro através dos computadores pessoais e, ultimamente, por meio de notebooks, iPads, tablets e muitas outras maravilhas tecnológicas, mudou definitivamente a humanidade, numa mudança que pode ser comparada, em abrangência e efeitos, à Revolução Industrial do século 18. Presente em todos os segmentos sociais e em praticamente todas as atividades humanas, a informatização já superou antigas barreiras e temores de pessoas mais conservadoras, que temiam a substituição do ser humano pela máquina. Isso porque, incorporada definitivamente à sociedade contemporânea, a internet é hoje parte essencial do aparato de qualquer pessoa, seja no ambiente de trabalho, no lazer, nas relações sociais, e, por que não dizer, na vida espiritual. Um dos últimos segmentos a render-se aos encantos da grande rede, a Igreja já não vê mais no computador uma ferramenta do anticristo. Ao contrário – em meio a uma geração que já nasceu plugada, a informática é hoje usada na evangelização, na edificação e na comunhão entre crentes do mundo inteiro. É um tremendo campo missionário, ainda praticamente inexplorado pelos crentes.

Com a presença cada vez maior de internautas on line (quase 75 milhões de brasileiros fazem uso regular da grande rede, segundo o instituto Ibope Nielsen), a web já é um dos espaços mais frequentados pelas pessoas, que ali se comunicam umas com as outras, trabalham, estudam, se distraem, programam a agenda e fazem compras. Grandes redes sociais, como o Facebook e o Orkut, já têm mais pessoas como membros do que a população de muitos países. Além disso, a vida virtual ganha cada vez mais horas do cotidiano do homem moderno. O Brasil, por exemplo, é a nação onde o internauta passa mais tempo conectado – uma média de 19 horas e meia por mês, segundo o Ibope Inteligense. Diante de números tão expressivos, a Igreja desistiu de demonizar a web e passou a usar suas múltiplas possibilidades para exercer atividades que lhe são essenciais, como a evangelização, o ensino bíblico, a comunhão e até a oração. Das simples mensagens por e-mail com conteúdo cristão, os crentes passaram a propagar sua fé nos chats e nas radiowebs, sem falar nos microblogs, na transmissão de cultos em tempo real e nos aconselhamentos virtuais. É o Reino de Deus tornando-se acessível a um simples clique de mouse!

Entre os grupos religiosos que exploram a web, os evangélicos estão entre os pioneiros, ao menos no Brasil. Segundo pesquisas realizadas pelo antropólogo Airton Jungblut, professor da Pontifícia Universidade Católica (PUC) do Rio Grande do Sul, entre os chats de conteúdo religioso, os evangélicos são os mais procurados. Na sua tese de doutorado Nos chats do Senhor, o estudioso mensura diversas características do comportamento religioso na net, mapeando o interesse tanto de discutir questões relativas a fé como de converter outros às suas doutrinas. “As razões históricas para esse movimento é que os evangélicos sempre fizeram um uso mais eficiente dos meios de comunicação de massa”, avalia Jungblut. “No passado, o uso da imprensa pelos protestantes foi fundamental para o seu crescimento. Além disso, a forte prática em busca de conversões faz com que se usem de todos os recursos possíveis para divulgar seus pontos de fé.”

Uma das características descobertas na pesquisa do professor é que essas ações na internet se davam muito mais de forma individual do que institucionalmente. Dois comportamentos que diferem aqueles militantes da fé que estavam nos chats das lideranças religiosas que buscavam se inserir na web foram identificados. “Um grupo de internautas usava a ferramenta para criar espaços de sociabilidade entre evangélicos, um uso não propriamente religioso. Por outro lado, havia aqueles que tentavam fazer da web uma extensão da igreja, reproduzindo algumas rotinas, como estudos bíblicos”, cita o professor.

BONDE DA HISTÓRIA

Navegar na grande rede em busca de almas e de crescimento espiritual, sem necessidade de um templo físico ou mesmo de sair de casa, pode parecer perigoso para uma crença fortemente baseada na comunhão como é a evangélica. Contudo, é inegável a eficiência dos modernos recursos tecnológicos como forma de comunicar o Evangelho – e isso está totalmente de acordo com a tradição protestante desde os tempos essencialmente analógicos. “Se estudarmos os movimentos religiosos cristãos, eles sempre valorizaram todas as formas de comunicação disponíveis no seu tempo”, destaca a jornalista e doutora em ciências da comunicação Magali do Nascimento Cunha, da Faculdade Metodista de São Paulo (Umesp). Crente metodista, ela destaca que, além das facilidades proporcionadas pela web, o baixo custo, sobretudo em comparação com mídias muito usadas pelas igrejas, como rádio e TV, faz da internet um recurso que não pode ser desprezado.

Agências missionárias e entidades cristãs não querem perder o bonde da história e já fazem do computador parte importante de seu trabalho. Diversos espaços na web para divulgação de material como textos, vídeos e cursos têm surgido, oferecendo ao internauta canais virtuais dos mais diversificados. No ano passado, a Junta de Missões Nacionais (JMN), órgão da Convenção Batista Brasileira, lançou todo o seu material de divulgação anual na internet e realizou a campanha “Vamos invadir o You Tube”, convidando os crentes a postarem vídeos evangelísticos na rede. O site foi fundado há seis anos, e a JMN também usa o Twitter, tanto para levar mensagens como para transmitir eventos relevantes. Mais recentemente, a agência entrou no Facebook com o projeto MIT (“Minuto que impacta e transforma”). “Milhares de pessoas já aderiram”, informa o pastor Marcos Azevedo, coordenador regional da JMN em Pernambuco. “A campanha tem como objetivo principal levar o povo de Deus a orar pela evangelização do Brasil”. Funciona assim: todas as segundas-feiras, os participantes separam um minuto – um minutinho, apenas – para orar, sempre ao meio-dia.

De acordo com Azevedo, o MIT também pode ser realizado em outros dias e horários, já que o que importa mesmo é ressaltar a importância da oração. Outra instituição que está se lançando na rede é a Junta de Missões Mundiais da CBB. Além do site institucional, que dispõe de informações sobre os missionários e os campos em que eles atuam, além de documentários, a entidade já está no Facebook através da JMM Jovem. Segundo o missionário Cláudio Elivan, a inserção na rede social é mantida por um grupo de colaboradores de várias regiões. Um dos principais objetivos é trabalhar a consciência da vocação entre a juventude. “Entendemos que o conhecimento coletivo é muito mais rico. Nascemos há pouco tempo, mas temos um número crescente de pessoas que curtem nossa página, nos seguem no twitter e se cadastram no nosso site”, garante Elivan. O Facebook da JMM Jovem é atualizado de segunda a sexta por um grupo de 25 redatores, que integram uma equipe on line de cerca de sessenta pessoas que, segundo Elivan, contribuem na construção de conhecimento, planejamento das ações, marketing, produção de vídeos, organização das viagens e produção de manuais, entre outras atividades.

Conhecida por sua criatividade e postura de vanguarda, a agência Jovens com Uma Missão (Jocum) não poderia estar de fora dessa descoberta ainda recente da potencialidade espiritual da internet. A regional de São Paulo da missão usa a web para despertar a visão missionária e mobilizar crentes e igrejas. Além de investir nos sites, a organização está no Twitter, com um perfil com mais de dois mil seguidores, e no Facebook, com cerca de três mil – números que, evidentemente, não param de crescer. “Não temos ainda um uso evangelístico da internet. Nossa comunicação é voltada para a conscientização da Igreja”, aponta André Rocha, relações públicas da Jocum Sampa.

Além de se constituir em um ponto de notícias do campo missionário, a web tem sido utilizada pelas organizações que trabalham com missões para divulgação de motivos de oração, criando uma grande rede de intercessores, e também para distribuir os produtos dessas organizações nas lojas virtuais. Sites como o da missão Portas Abertas ou da JMM expõem diariamente assuntos que dizem respeito às suas atividades. Os cuidados, porém, são redobrados para não expor os missionários que atuam em países ou regiões onde há perseguição religiosa. Esta é a razão, inclusive, porque tais organizações constantemente instruem os internautas a não postarem fotos ou nomes de alguns missionários. É através da internet que Portas Abertas também dá visibilidade à situação de obreiros que têm a vida ameaçada por pregar o Evangelho. Recentemente, o caso do pastor iraniano Youcef Nadarkhani – condenado à morte por um tribunal islâmico de seu país – repercutiu em todo o mundo, gerando um forte movimento internacional por sua libertação.

BLOGOSFERA GOSPEL

“Assim como a imprensa de Guttemberg democratizou o conhecimento pelo livro impresso, a internet está fazendo o mesmo, em uma escala muito maior, com as páginas virtuais”, afirma o blogueiro João Cruzue, presbítero da Assembleia de Deus. Os blogs – para quem ainda não sabe, uma espécie de diário, em que as mensagens e textos, chamados posts, são veiculados em ordem cronológica – são outra possibilidade que começa a ser usada de maneira intensa pelos crentes. Somente a União dos Blogueiros Evangélicos (UBE) possui cerca de 15 mil blogs filiados. Além de gratuita, uma das vantagens dessa ferramenta é a democratização da palavra. Assim, não são apenas pastores ou líderes de renome que expõem suas mensagens na rede. Qualquer crente com uma ideia na cabeça e um computador à mão, de qualquer origem ou tendência, pode fazer o mesmo, ajudando a rechear ainda mais a já incomensurável blogosfera.

Segundo Cruzue, esses diários virtuais são o primeiro degrau para a publicação de conteúdo cristão na internet, e o que os distingue é a originalidade dos seus donos. Para contribuir na formação dos blogueiros evangélicos, ele fundou a Academia dos Blogueiros Cristãos. Ali, alguns tutoriais criados por ele mesmo ensinam como criar e manter um blog, tudo de forma gratuita. Outra iniciativa do presbítero foi a Associação de Blogueiros Evangélicos, que tem o objetivo de divulgar uma ideologia: a de que o Evangelho deve, sim, ser divulgado na internet, mas com qualidade. “Há gente blogando qualquer coisa”, critica. Na sua opinião, os formadores de opinião, hoje, não são os cristãos – mas isso pode ser mudado, e a web é um bom caminho.”Vislumbro que, do meio da quantidade, surgirá a qualidade. E, para ter qualidade, é preciso compartilhar conhecimento em tecnologia de publicação de conteúdo”, defende.

Na opinião do pastor Carlos Roberto Cavalcanti, que é pesquisador do Instituto Cultural de Pernambuco, blogueiro e autor de diversos livros, a blogosfera tem sido um ambiente fértil para o ressurgimento de discussões teológicas de grande relevância para a Igreja atual – sobretudo nestes tempos em que a Igreja, como instituição, anda no foco da insatisfação de muitos cristãos. “Os jovens que não conseguem expor suas opiniões na igreja estão na internet, dando publicidade às suas decepções. Por isso, estão surgindo na web discursos em busca das antigas doutrinas da graça, que estão na raiz da Igreja”. No entanto, adverte, o fato de não haver qualquer controle sobre o que é veiculado na internet – também chamada, e com razão, de “território livre” – exige critério de quem a usa. “A disseminação de heresias é uma preocupação. Parece até que essas coisas se espalham mais rápido. Mas as pessoas devem buscar aquilo que edifica e reter o que é bom.”

Outra realidade apontada por Cavalcanti é o custo dos e-books e a possibilidade de acesso a conteúdos raros e históricos. O teólogo explora bem essas duas vantagens. Em seu estudo sobre alguns textos bíblicos que tiveram seus sentidos corrompidos pela Igreja ao longo da História, ele está fazendo uso dos manuscritos mais antigos da Bíblia – que, para a alegria de pesquisadores e curiosos, estão disponíveis na net. Para facilitar o acesso de novos leitores às suas publicações, Cavalcanti disponibilizou todos os seus livros numa versão on line.

Tanto nos blogs como nos vídeos e redes sociais, uma verdade parece se consolidar na web: as iniciativas de caráter institucional não são tão bem sucedidas quanto aquelas movidas por ações individuais. De acordo com o escritor Valter Luís de Avellar, autor do livro Internet e espiritualidade – O despertar através das mensagens de e-mail, os temas que despertam menos interesse nas caixas de postagem dos internautas são justamente as de conteúdo religioso, apreciadas apenas por 7,2% das pessoas que entrevistou. Muitos sites de igrejas, lançados com alarde, estão estáticos na internet, como um templo vazio. Para Uziel Bezerra, pastor batista, as igrejas precisam lançar mais conteúdos na rede, valorizando os estudos bíblicos de qualidade e a transmissão ao vivo dos cultos. Fazendo uma comparação com o mundo de antes da internet, Uziel lembra que, hoje, o primeiro lugar onde as pessoas vão buscar informação é no Google. “Em outros tempos, em caso de dúvida, se perguntava a um professor ou líder espiritual. Hoje, a pessoa simplesmente entra na internet e pesquisa. Ainda não temos um banco de dados eficaz, apesar de haver muita coisa  sobre questões bíblicas ou doutrinárias”, aponta .

Entre as suas atividades ministeriais diárias, o pastor Uziel separa ao menos uma hora por dia para realizar aconselhamentos pela internet. No passado, muitas igrejas investiram num formato parecido, mas através do telefone, que tinha um custo elevado. “A internet se transformou naquilo que alguns teóricos chamam de aldeia global. Dentro do conceito de interatividade, temos uma quantidade enorme de pessoas on line, em busca de desenvolver relacionamentos”, comenta. “Jesus ministraria a essas pessoas. Então, invisto tempo para aconselhar e orientar pessoas através de chats ou do Twitter. Essa é uma área ainda carente na internet”, aponta.

QUALIFICAÇÃO

Outra área das modernas tecnologias de comunicação que vem conquistando adeptos entre os evangélicos são as radiowebs. Além do baixo custo, esse tipo de mídia tem a vantagem da praticidade. Segundo o diretor da Gospel Rádio Web, Emanuel Farias, não é possível mensurar a quantidade dessas emissoras evangélicas on line, que crescem a cada dia pela facilidade de criá-las. Só na lista do portal Rádios, que abriga milhares de canais de TVs e rádios que estão na rede, há nada menos que 818 radiowebs na categoria “gospel/evangélicas”. “Qualquer pessoa com um bom computador noções mínimas de áudio e internet consegue fazer uma excelente transmissão”, comenta. Outra vantagem desse tipo de mídia é a interatividade. “Existem web rádios que fazem transmissão on demand, ou seja, através de áudio gravado que fica à disposição no site”, diz o especialista.

Em um mundo onde barreiras religiosas continuam sendo erguidas, dificultando a livre pregação da Palavra de Deus a quem queira ouvi-la, mídias como essa, que podem ser acessadas mesmo em um esconderijo, são mais que bem vindas. “Uma das muitas missões das radiowebs é simplesmente fazer com que o Evangelho seja divulgado. As igrejas poderiam fazer com que a visitação e o conhecimento das rádios aumentassem”, defende. Para isso, emenda, bastaria que se integrassem mais ao mundo virtual. O diretor da Gospel Rádio Web entende que a atuação dessas micro-emissoras poderia ser potencializado com o reconhecimento das igrejas e a integração das instituições religiosas, “inclusive para a qualificação da programação”. No entender do cientista da computação Thiago Ferreira, tal investimento da Igreja no mundo virtual já e faz mais do que necessário. Crente batista, ele defende a excelência também nessa parte de obra de Deus: “Como qualquer outro serviço, para funcionar de fato, é preciso que se faça bem feito e que os conteúdos sejam atualizados com frequência”. Mais do que outras revoluções, a digital requer agilidade de seus protagonistas – ainda mais porque, nesta seara virtual, os ceifeiros podem ser muitos.

Seara virtual

 

  • O Brasil é o 5º país com o maior número de conexões à internet.
  • Quase 75 milhões de brasileiros são internautas.
  • 63% dos internautas brasileiros têm idades entre 15 e 35 anos.
  • No Brasil, existem entre 20 mil e 30 mil blogueiros evangélicos.
  • A União de Blogueiros Evangélicos tem cerca de 15 mil filiados.

Fonte: Cristianismo Hoje


Anúncios
Published in: on março 30, 2012 at 13:12  Deixe um comentário  

Entrevista com o pastor Caio Fábio: “Eu só quero viver em paz”.

Depois de vários anos sumido do noticiário nacional, o pastor Caio Fábio D’Araújo Filho voltou às manchetes no fim do ano passado. Réu na ação movida contra ele por conta do episódio conhecido como Dossiê Caimã – conjunto de documentos falsos que, pouco antes da eleição presidencial de 1998, acusava altas figuras do governo de ter contas secretas naquele paraíso fiscal –, Caio foi condenado por uma juíza federal a pouco mais de três anos de reclusão. Cabe recurso, e o pastor já avisou que vai até às últimas instâncias. “A juíza quer aparecer”, ataca, sustentando a mesma versão que conta desde o início do imbróglio: a de que foi envolvido inocentemente numa conspiração política. Essa parte de seu passado, bem como muitas outras, já não são conhecidas pelas novas gerações de crentes. Contudo, os evangélicos mais maduros sabem que Caio foi a mais destacada liderança evangélica já surgida no país, cuja visibilidade, catapultada por uma ação ministerial intensa – como a criação da organização Visão Nacional de Evangelização, a Vinde, e da Fábrica de Esperança, megaprojeto social que atendeu centenas de milhares de carentes num conjunto de favelas do Rio –, marcou época entre os anos 1970 e 90.

Hoje, Caio olha para esse passado com serenidade. Ele diz que não repudia nada do que fez, mas que não quer mais saber de ser a figura pública, aclamada e requisitada de outrora. “Esse tempo acabou definitivamente para mim. Minha alma não tolera mais a possibilidade dessa vida itinerante”, diz, em sua casa em Brasília. Cercado de árvores, jardins e recantos, é dali que ele grava os programas que exibe pela internet, parte importante das atividades do Caminho da Graça, ministério que hoje capitaneia. Tida como uma igreja de perfil alternativo, o grupo reúne-se em várias cidades brasileiras e, segundo Caio Fábio, procura restaurar o sentido da comunhão cristã. “Ele é um movimento conduzido pela Palavra e pelo Espírito Santo. Queremos que  invada a massa, abranja tudo e se torne incontrolável como o vento que sopra onde quer”, diz, com a retórica privilegiada que conquistou milhões de admiradores e fez sucesso em mais de 100 livros publicados. De certas experiências do passado, ele não esconde a dor – como a separação de sua primeira mulher, Alda Fernandes, com quem teve quatro filhos, e a trágica morte de Lukkas, o terceiro deles.  Contudo, embora muito criticado e contestado ao longo desses anos todos, ele assegura, “diante de Deus”, que não sente mágoa de ninguém. Aos 57 anos de idade, casado com Adriana Ribeiro, Caio Fábio D’Araújo Filho se diz em paz. “Eu sou livre. Sou nascido do Evangelho, nascido de Jesus. Hoje, sirvo ao Senhor e não preciso perder o meu ser, a minha saúde, a minha paz, o meu convívio familiar. Isso é graça de Deus para mim!”

CRISTIANISMO HOJE – Recentemente, o senhor voltou ao noticiário com a notícia de sua condenação no processo que investiga o episódio do Dossiê Caimã. Como ficou esse processo?

CAIO FÁBIO D’ARAÚJO FILHO – Meu advogado entrou com recurso e eu ganhei. Agora, deve seguir para outra instância. Esse processo é uma loucura inominável. Até o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, que seria o maior prejudicado se a história fosse verdadeira, já veio a público me isentar de qualquer culpa.

Se sua inocência é tão óbvia como diz, por que um assunto praticamente esquecido pela opinião pública foi trazido novamente à tona?

Por iniciativa de uma juíza federal que gosta de aparecer. Como o episódio foi um fato histórico que envolveu até a Presidência da República, ela quis ser a mulher que decretou a prisão do indivíduo que seria o boi de piranha daquele negócio todo. Um grupo de advogados amigos de São Paulo queria até entrar com uma representação contra ela perante os conselhos de Magistratura, porque acharam que ela passou dos limites. Mas o advogado que me representa nos autos não deixou.

A quem interessaria uma condenação sua?

Ah, interessaria a muitos religiosos. O próprio pessoal da imprensa que me ligou disse que isso é uma coisa surreal, que aquela mulher é doida. Ninguém acredita em nada daquilo. Só a Folha de São Paulo é que deu com um destaque maior por uma razão política que eu não vou dizer aqui. E a TV Record [ligada à Igreja Universal do Reino de Deus], por razões óbvias. Estou junto como réu ao lado de Paulo Maluf e Lafayette Coutinho. No entanto, só eu fui condenado! Mas olha, se, por algum motivo totalmente inexplicável, esse negócio chegar ao Superior Tribunal de Justiça, será liquidado lá. E, se por alguma insanidade passar e for ao Supremo, vai morrer na praia.

O senhor trabalha com a hipótese de uma condenação definitiva?

Se, por alguma conjunção cósmica totalmente irracional, eu for mesmo condenado a prestar serviço comunitário ou fazer ação social, eu vou dar um grande “aleluia”, porque estarei sendo condenado a ser eu mesmo, a fazer o que sempre fiz esses anos todos, por minha total iniciativa.

O senhor concebeu e liderou um dos maiores projetos de cunho social de iniciativa de evangélicos já feitos neste país, a Fábrica da Esperança, considerado o maior do gênero na América Latina. Com esta credencial, como o senhor avalia a relativamente pequena atuação da Igreja brasileira na área social, ainda mais evidenciada quando consideramos as altíssimas somas de dinheiro arrecadadas pelos grandes ministérios e denominações?

Não existe nenhum grupo mais ególatra dentre todos os movimentos religiosos planetários do que o movimento evangélico. Isso por causa da semente dele – a semente é má, é de divisão. A semente original, de protesto contra a Igreja Católica, transformou-se numa semente de protesto existencial contra tudo. Essa divisão criou a ênfase no dogma doutrinário. Isso divide, qualquer que seja o desencontro, em qualquer nível na escala de valores. Falta tolerância naquilo que não tem significado para a salvação, no que não altera o DNA do Evangelho. Esse tipo de tolerância no olhar nunca existiu. O que se instituiu foi a prevalência do existencialismo espiritual, e esse não lida com as categorias objetivas de valor. E logo o chamado movimento protestante virou esse guarda-chuva evangélico, sob o qual cabem todas as coisas. Quando é que pode haver unidade e serviço ao próximo se, no meio evangélico a unção para nada serve senão para erigir egos? A unção do Espírito Santo deve redundar no amor, na compaixão, na misericórdia, no serviço – mas a “unção” que vemos aí só tem poder para criar lúciferes com purpurina na cara, que atuam em palcos com luzes.

Em função deste e de vários outros projetos e iniciativas, o senhor levantou muito mais recursos do que o de diversos líderes de hoje, que estão até comprando aviões particulares.  À época, o senhor teve o seu?

Nunca tive avião ou helicóptero. Faz parte da minha filosofia não adquirir nada. Nem esta casa onde vivo eu comprei, ela me foi alugada a um valor simbólico por três senhoras amigas. Eu nunca comprei coisa nenhuma, nunca acreditei em compra de nada. O Caminho da Graça nunca vai comprar nada. Creio que imobilizar dinheiro do povo de Deus com patrimônio físico é pecado. Quem diz que a nossa pátria está nos céus e faz aquisições poderosas ou erige templos salomônicos está pecando contra o espírito do Evangelho. Tudo o que eu construí e mantive era alugado. Passei 25 anos declarando que não tinha o menor compromisso com a manutenção de coisa alguma que virasse um fim em si mesmo. Quando você é dono de propriedades, você acaba vivendo para fazer a manutenção de tudo e as coisas perdem a finalidade.

E o senhor vive de quê?

Sempre vivi exclusivamente do ministério. Todos os direitos autorais dos meus livros e a renda obtida com nossas atividades no passado – TV, rádio, revista, editora – era voltada para a atividade missionária, social, evangelizadora e de treinamento. Era tudo reinvestido naquilo que fazíamos. E continua sendo assim hoje.

Quem o ouve falar percebe que o senhor faz questão de traçar uma linha divisória entre o que é hoje e o que fez, em especial em relação ao seu passado institucional, quando era uma figura pública dentro e fora da Igreja. Há algo que o senhor repudia em seu passado?

Não. Eu nunca rechacei meu passado. Só não faria de novo. Naquela época, contudo, foi necessário. Só de uma coisa me arrependo no meu passado institucional: ter aceitado a imposição de ter sido feito presidente da Associação Evangélica Brasileira [AEVB], pela qual eu mesmo trabalhei muito para ver criada. Eu não queria a função, mas fui eleito por aclamação. Praticamente me obrigaram a aceitar, porque a entidade surgiu com o patrocínio da Vinde. Noventa por cento da AEVB estavam ligados aos ministérios que eu dirigia. Eu não queria e nem precisava presidir a AEVB. Pelo contrário – eu é que dei mídia para ela.

Mas a AEVB não cumpriu um papel importante na época? Afinal, ela esteve à frente de movimentos marcantes dos anos 90, como o Celebrando a Deus como Planeta Terra, o Rio Desarme-se e o Reage Rio, entre outras mobilizações que contaram com o apoio dos evangélicos.

Quando se criou a AEVB, a gente já havia perdido tempo demais discutindo o sexo dos anjos. Já estávamos correndo no vácuo do prejuízo. Esperamos muitos anos num processo lento, de muita conversa infrutífera. A AEVB só surgiu em 1991, depois que o [bispo Edir] Macedo já havia começado a dar as cartas do neopentecostalismo brasileiro. A AEVB foi criada com apoio desse pessoal que agora fundou a Aliança Cristã Evangélica Brasileira e de outros, mas ninguém botava dinheiro, ninguém se mobilizava para fazer nada.

O senhor foi convidado a participar da Aliança?

Não fui convidado, e mesmo se fosse, não iria, porque não acredito mais nisso. Todos esses irmãos queridos que estão lá sabem que eu sempre quis ser livre para dizer o que eu queria.  Esse tipo de iniciativa tinha que ser criada bem antes, lá no início dos anos 1980, quando havia muita gente séria, respeitável, de corações generosos. Isso tinha de ser criado logo depois do Congresso Brasileiro de Evangelização, em 1983, que para mim foi o maior evento representativo da história da Igreja brasileira. Ali ocorreu a grande oportunidade de unidade. As almas ainda estavam ingênuas, puras, sinceras. A teologia da prosperidade não existia por aqui, o que prevalecia era a teologia da missão integral. Havia uma quantidade enorme de pastores piedosos e desejosos de ver o melhor de Deus acontecer neste país. Creio que, àquela altura, ainda dava tempo de a Igreja ter um papel de relevância e significado, Ainda dava para virar as coisas e não perder os significados do termo evangélico.

A sua separação foi um acontecimento público, que envolveu adultério. Naquela época, isso ganhou enorme peso perante a Igreja. No entanto, já àquele tempo diversas denominações já ordenavam pastores divorciados e encaravam a questão de forma liberal. Também são muitos os exemplos de pastores famosos – alguns, líderes de denominações – que se divorciaram em condições semelhantes às suas, mas a repercussão em nada se aproximou do tratamento que lhe foi concedido. Por que o seu caso, até hoje, suscita tanto escândalo? O senhor se considera perseguido?

Eu daria três razões para este tratamento especial e a grande comoção que o episódio causou. Em primeiro lugar, a minha situação para essa moçada toda foi insuportável. Ministerialmente, eu funcionava como uma espécie de foice, rodando em cima de cabeças conceituais. Toda vez que aparecia um maluco – e eu nunca precisei nominar os malucos, apenas expunha seus erros e dizia que o Evangelho era de outro jeito –, essa foice cortava logo aquela cabeça, o cara virava herege. Por isso, todo mundo tinha medo de que minha opinião conceitual colocasse alguém em situação difícil. Eu tenho certeza absoluta da quantidade enorme de gente que torcia por uma fragilidade de minha parte justamente por causa desse papel que eu exercia. E esse não foi um papel que eu pleiteasse ou buscasse; ele aconteceu espontaneamente. Foi Deus que fez isso por sua graça, eu só estava pregando o Evangelho, que, aliás, é o que eu sempre fiz.

Então, o senhor acredita que parte desta liderança que ai está não teria o espaço que tem se não fosse a sua saída do cenário? Seu espólio foi negociado?

Com certeza. Não preciso falar nada. Basta ver até 1998 quem era quem e o que aconteceu de 2000 em diante. Quer ver uma coisa? Logo depois do que aconteceu, diante daquela comoção toda sobre o que tinha acontecido comigo, houve uma reunião de 300 pastores em São Paulo especificamente para tratar sobre quem ia ficar com qual parte do meu despojo, para saber quais eram os espaços que eu havia deixado abertos e quem deveria ocupá-los. E foram milhares que também fizeram isso. Não quero nem falar de traição, porque no meu coração já estão todos perdoados, mas se eu abrisse a boca ninguém ficava em pé.  Esta foi uma razão. Em que pese o fato de que eu cometi um ato pecaminoso de traição e infidelidade, isso está longe de ser a causa principal da grande comoção. Sabe qual foi a causa? Eu ter tomado a iniciativa de contar tudo, ou seja, por minha vontade expor tudo em verdade, sem que qualquer coisa tivesse sido descoberta por ninguém. E eu que ouvia a confissão de tantos deles e sabia de suas fraquezas, das promiscuidades… E, depois, estes mesmos iam à TV bater em mim confiando na minha integridade, pois sabiam que eu não os exporia.

E a terceira razão foi que, naquele momento, eu aproveitei a oportunidade e pulei fora do barco. Este foi o elemento mais doído de todos. A Igreja Presbiteriana me propôs uma discipina como condição para minha restauração. Eu respondi que não estava pleiteando nada, e que estava me desligando da denominação unilateralmente. Eu não queria mais ser parte daquilo. Escrevi três cartas e eles não aceitaram nenhuma.  Pensei: “Meu Deus, isso aí não é a máfia, da qual o camarada só sai morto”! Depois me propuseram dar o tempo que eu julgasse necessário e que, depois, se eu quisesse voltar, seria restaurado e estava tudo certo. Mas eu disse que não queria.

O que passava pela sua cabeça naquele momento. O que o senhor desejava? Para onde queria ir?

Eu queria vir para cá! Queria voltar aos meus 18 anos… Eu nunca quis ser pastor ordenado. Eu sabia quem eu era e que Deus tinha me ungido. Sabia que isso tinha vindo do céu, e que não dependia de ninguém. Foi a Igreja Presbiteriana que disse que não era possível que eu, aos 19 anos, em Manaus,  fosse considerado pastor pela cidade inteira,  pregasse a Palavra sem ser ordenado pastor e sem aceitar ir para ao seminário.

Então a questão crucial foi a rejeição?

Sim. Eles agiram passionalmente. Era como se dissessem: “Nós amávamos esse cara e ele decidiu não ser mais parte do nosso grupo”. E, conquanto eu estivesse fazendo aquilo sem que, na minha mente, quisesse ofender nenhum daqueles irmãos, o que eu não queria era, depois do acontecido, ter de me curvar a nenhum tipo de restauração humana, mentirosa, hipócrita e plástica que queriam me oferecer. Eu sabia que o único a me restaurar era o Senhor. Eu não aceitaria nada que não viesse daquele que me ungiu e sabendo que entrar naquele esquema era vender a minha alma. Então, eles aproveitaram essa minha atitude para vender ao povão a ideia de que eu estava rebelado contra a comunhão dos santos e o amor dos irmãos.

Ao longo dos anos, foram construídos certos mitos a seu respeito e que o rotulam como extremamente liberal e até antibíblico. Um deles é de que o senhor, devido ao que lhe aconteceu, seria um incentivador de divórcios, em especial de pastores. O que o senhor tem a dizer sobre isso?

Isso é uma suposição absurda. Já haviam acontecido milhares de separações de pastores antes da minha. E muita dessa gente vinha me contar os dramas conjugais e chorar as mazelas comigo. Então, é hipocrisia dizer que o que me aconteceu é que abriu as portas para que outros pastores adulterassem ou largassem da mulher. Essa percepção a meu respeito é suscitada pelo diabo na cabeça de muita gente doida. Eu nunca defendi o divórcio. Defendo que continuem casados aqueles que se amam, mas que todos aqueles que se fazem mal, que se machucam, que se ferem e se odeiam, não deveriam estar casados, pelo bem de suas almas. Sempre aconselhei todo mundo a não adulterar, a não trair a mulher. Quando cheguei aqui em Brasília, no meu primeiro ano o que eu mais fiz foi atender pastores e mulheres de pastores que queriam se divorciar e vinham me pedir aconselhamento. Gente de tudo quanto é igreja – batistas, assembleianos, presbiterianos, pentecostais. Na medida do possível, ajudei esse pessoal todo a não se divorciar. Eu dizia a quem me procurava com casos extraconjugais: “Sai dessa, você vai se estrepar com essa amante”. O que Deus uniu, que o homem não separe; e o que Deus não uniu, que não se ajunte, porque vira uma desgraça. O que me aconteceu foi, isso sim, um ato pecaminoso, de traição e de infidelidade. Um pecado diante de Deus e perante a mãe dos meus filhos. Mas o que me aconteceu não teria derrubado nada que já não estivesse demolido. É ridículo dizer que meu caso serviu de legitimação para os atos de quem quer que seja.

Por falar nisso, como é sua relação com Alda Fernandes, sua ex-mulher?

Ela é minha amiga. Passamos o último Natal juntos. Estamos sempre com nossos filhos e netos.

Quando seu filho Lukkas morreu atropelado, em 2004, houve quem atribuísse a tragédia e um juízo de Deus sobre sua vida. O que o senhor sentiu na época e como lida hoje com as pessoas que o criticam?

Só tive coração para a dor e a saudade pela partida do meu filho. Nada do que soube que disseram teve poder de gerar qualquer coisa ruim em mim. O que senti naquele momento foi paz, e se todos os meus filhos morressem, a minha resposta seria a mesma. E tem mais uma coisa – não existe ninguém, nenhum ser humano, que eu não tenha perdoado. Digo isso diante do Deus vivo e dos principados e potestades malignas. Meu coração nunca dormiu com ira em relação a ninguém, eu não tenho ódio nenhum para contar. Não tenho inimizades contra pessoas. Por outro lado, tenho opiniões a dar sobre ideias e conceitos equivocados de quem quer que seja. Não é por causa do fato de eu não ter inimizade pessoal por um indivíduo que vou deixar que a vandalização do Evangelho aconteça sem que eu me una a Paulo na luta comum da defesa do Evangelho, como todo aquele que carrega o temor de Jesus no coração.

Esse seu discurso costuma ser extremamente crítico em relação ao que chama de “igrejas institucionalizadas” e “sistema religioso”. Na sua opinião, as igrejas não têm nada de bom?

Mas é claro que têm coisas boas! Elas têm gente boa, e gente é o que existe de melhor em qualquer lugar. Ministério, para mim, é gente, só é bom se for feito por gente e para gente. Está cheio de gente boa de Deus nas igrejas. Mesmo quando há um pastor paspalhão lá na frente, os bancos estão repletos de gente boa, que sente até pena daquele indivíduo lá na frente, que faz negócios para todos os lados e com quem apareça. Tem gente que suporta o púlpito muito mais para não perder os relacionamentos de comunhão e o convívio de anos com os irmãos. Eles sabem que aqueles caras lá na frente vão passar, as modas vão passar, mas eles vão continuar ali. Existe gente maravilhosa nos ministérios. Veja aquele pessoal da Juvep [Juventude Evangélica da Paraíba, entidade que atua de maneira missionária no sertão nordestino], por exemplo. Eles perseveram há anos na mesma purezinha de alma, na mesma ideia de serviço ao próximo. Há também a Jocum [Jovens com uma Missão, movimento missionário internacional], com seus tantos braços de ação penetrados nos lugares mais distantes, em favelas, em comunidades miseráveis, em bolsões de carência no mundo todo.

O Caminho da Graça é uma espécie de reinvenção da igreja?

Não, ele é simplesmente a sequência de um caminho que eu sempre trilhei. O Caminho da Graça é a expressão de visibilidade de uma coisa subversiva que eu incito. Eu tento fazer com que o Caminho seja apenas, com muita leveza, um elemento de visibilidade mínima da possibilidade de uma comunhão cristã sem que uns mordam e devorem uns aos outros. Por isso, não tenho aquele desejo de fazê-lo crescer, ter expansão numérica simplesmente – quero que o que cresça seja essa coisa que ninguém nomeia, um movimento conduzido pela Palavra e pelo Espírito Santo que invade a massa, abranja tudo e se torne incontrolável como o vento que sopra onde quer.

O senhor diz que o Caminho da Graça é um movimento não institucionalizado, mas recentemente nomeou presbíteros e diáconos para sua sede em Brasília. Isso não vai acabar tornando o ministério como uma das igrejas que o senhor tanto critica?

Nós funcionamos baseados em dons, e não em hierarquias. Nas igrejas convencionais, o diácono é mais do que o membro e o presbítero é mais do que o diácono. Aqui no Caminho, essas funções expressam simplesmente dons de serviço. O presbítero, o mentor, não é um sujeito mais elevado na hierarquia, não tem poderes ou prerrogativas especiais. Ele é simplesmente o cara que surge pela observação dos outros: “Puxa, quanta sabedoria fulano tem recebido e manifestado”. Essas funções surgem por opiniões múltiplas, não existe reunião de concílio ou votação para escolher ninguém. E tem outra coisa: se, algum dia, lá na frente, o Caminho da Graça deixar de ser o que nasceu para ser, é a coisa mais simples do mundo – acaba tudo e começa outra vez. O problema do pessoal é que eles querem se eternizar. Querem que o grão de trigo dure para sempre, mas se o grão não morrer, não há fruto. Eu não quero perenizar nada. Eu só tenho o compromisso de servir à minha geração, não quero deixar nenhum legado, nenhum império. É preciso reconhecer que a vida é cíclica. Eu já acabei com muita coisa que tinha começado no curso da minha vida. E que ninguém duvide que, se eu tiver vida longa e alguma coisa que estou fazendo hoje se corromper lá na frente, eu mesmo vou lá e termino com tudo, não espero, não.

A manutenção do Caminho da Graça e dos ministérios a ele ligados é feita através de dízimos e ofertas?

A gente recolhe ofertas. A espontaneidade da dádiva tem que ser baseada no amor, na alegria de dar. Quem pode dar mais, dá mais; quem pode dar menos, dá menos; e quem não pode dar nada não dá nada, recebe. Paulo ensinou que é justo que aqueles que recebem bens daqueles que lhes ministram os galardoem e ajudem com bens. Mesmo com toda a capacidade que Jesus tinha de multiplicar pães e peixes e de transformar água em vinho, ele era sustentado pelas ofertas práticas e objetivas das mulheres que o serviam e de outras pessoas. O princípio espiritual da doação era operativo na vida e no ensino de Jesus e no Novo Testamento como um todo.

E quanto ao dízimo? Nesta ótica, ele seria antibíblico?

O que as igrejas ensinam é lei, é obrigatoriedade. A Igreja tornou-se uma espécie de agente substitutivo do antigo templo de Jerusalém, uma espécie de “receita federal” de Deus. É uma coletora de impostos. O dízimo é esse imposto, e ainda dizem que quem não pagar vai sofrer as desgraças descritas no capítulo 3 de Malaquias. Como a Igreja não ensina a obediência ao Evangelho como resultado do amor de Cristo constrangendo nosso coração, como Paulo ensina em II Coríntios 5, as pessoas não veem a questão da doação como algo inerente à generosidade.

Se um homossexual assumido quiser frequentar o Caminho nesta condição, como ele será tratado?

Nunca ninguém chegou no Caminho da Graça dizendo para mim que é gay praticante e que quer ficar ali. Mas não sou persecutório e nem homofóbico acerca de nenhum ser humano. Se ele quiser ficar, ouvirá o Evangelho e saberá que esse Evangelho pode criar um espaço de generosidade misericordiosa para ele ouvir a Palavra de Deus e crescer – mas nunca ouvirá uma única palavra de incentivo a qualquer relação sexual que não seja heterossexual.  Se eu fizesse isso, estaria estabelecendo um paradigma que não encontro nenhum precedente para estabelecer.

Logo, ainda que solicitado, o senhor não celebraria um casamento gay?

Eu não faço esse tipo de casamento, até porque a união estável entre homossexuais não é casamento, é uma relação societária, uma empresa limitada. O Estado tem o dever de defender essa relação no que se refere ao respeito à propriedade, aos bens. Se dois gays que construíram uma vida juntos, com aquisição de bens e tudo o mais, resolvem não mais viver em comum, que se divida o que têm, e cada um leva a sua parte. Isso é uma questão de Estado, não tem nada a ver com a Igreja. Mas não estimulo nenhum tipo de união estável, a não ser aquela estabelecida entre homem e mulher que se amem.

Sua maneira de falar e até as roupas que o senhor tem usado provocam muitos comentários. A esta altura da vida, o senhor sente-se livre para dizer e fazer o que quer?

Pelo amor de Deus, você não pode mais ser o que é? Eu me visto desse jeito porque gosto. Eu sou só um carinha que deseja viver. Quem não gosta do meu jeito é livre para viver da maneira que quiser. Eu sou livre como o Evangelho. Sou nascido do Evangelho, nascido de Jesus. Sou como o vento, nascido do Espírito Santo. Quem não suporta minhas declarações, minha sinceridade e a propriedade do que digo que vá dormir com esse barulho.

Fonte: Cristianismo Hoje

Published in: on março 30, 2012 at 12:53  Deixe um comentário  

O tamanho da sua impossibilidade não diminui o tamanho de Deus!

Colossenses 2:6-7: “Como, pois, recebestes o Senhor Jesus Cristo, assim também andai nele, arraigados e edificados nele, e confirmados na fé, assim como fostes ensinados, nela abundando em ação de graças.”

Uma pessoa que não cresce é uma aberração, porque fomos feitos para crescer. A sabedoria não se define pela idade, porque às vezes a idade chega, mas a maturidade não! O que acontece de importante é aquilo que você provoca. Você recebe da vida o que investe nela e isso é a lei da semeadura! A natureza não respeita a letargia. Se você pouco planta, você pouco colhe. Se você não planta nada, você nada colhe! Há pessoas com dormência espiritual. Deve ser por isso que o apóstolo Paulo disse em Efésios 5:14: “Desperta, tu que dormes, e levanta-te dentre os mortos, e Cristo te esclarecerá.” Na Bíblia há registros de pessoas que foram curadas de paralisias físicas, mas na maioria dos casos as pessoas sofrem de um tipo de paralisia emocional, financeira e de atitudes que deveriam ser tomadas e não são.

Há pessoas que pensam que o crescimento é algo mágico, automático, mas neste mundo nada acontece de repente. O crescimento é provocado! A letargia não traz crescimento. Pessoas que não crescem tornam-se ranzinzas, críticas, amargas e invejosas. Na verdade os muçulmanos têm os xiitas e nós, cristãos, temos os chaatos. Se você está sendo criticado, é porque está no caminho certo, mas se não está, cuidado.

O crescimento não vem com a experiência. A experiência é boa quando nos ensina a corrigir os erros e a alcançar o sucesso. Há pessoas que passam, ciclicamente, por dificuldades e não aprendem com elas. O sábio aprende com o erro dos outros, o inteligente aprende com os próprios erros e o tolo, simplesmente, não aprende! John Maxuel diz que “sucesso é conhecer o seu propósito na vida. É crescer até alcançar o seu potencial máximo. É plantar sementes que beneficiam as outras pessoas.” Em II Pedro 3:18 está escrito: “Antes crescei na graça e conhecimento de nosso Senhor e Salvador, Jesus Cristo. A ele seja dada a glória, assim agora, como no dia da eternidade. Amém.” Crescer constantemente é fundamental. O que você enxerga no mundo exterior é o que você enxerga no mundo interior. Não queira mudar nada fora de você antes de mudar dentro de você! A sua prosperidade depende do que se passa na sua alma. A forma como as pessoas te tratam refletem a forma como você se trata.

Os dons sem o crescimento conduzem à ineficácia. Saul era uma pessoa extremamente talentosa, mas talento não é tudo. Ele tinha tudo para ser uma pessoa bem sucedida, mas se perdeu por conta do seu medo e insegurança. O cemitério está cheio de talentos desperdiçados! Não morra antes de cumprir a sua chamada. O crescimento evita o estancamento pessoal e profissional. O seu crescimento pessoal provoca crescimento ao seu redor e isso é a lei da tampa! A capacidade de liderança determina o nível de eficácia de uma pessoa. Nós precisamos retirar as tampas que nos impedem de crescer e avançar para o próximo nível! Você precisa de pressão interior para suportar a pressão exterior. Deus treina as pessoas na pressão porque é na pressão que as pessoas se revelam! Não aceite a mudança, mas procure por ela. Persevere e não desista! Estabeleça metas de crescimento. Aprenda a desfrutar de sua jornada! Se você vai passar parte de sua vida fazendo a mesma coisa, aprenda a gostar dela. Coloque-se em um ambiente de crescimento e estabeleça uma meta para crescer a cada dia.

A Bíblia diz que Jesus crescia em sabedoria, em estatura e em graça diante de Deus e dos homens. Tenha um tempo de devocional e de qualidade com Deus todos os dias! Ore, louve, jejue, leia livros! Torne o seu crescimento uma prioridade e guarde o que você aprende. Revise as suas anotações! A Bíblia diz que aquele que ordena os seus caminhos será bem sucedido. Nós superestimamos um evento e subestimamos o processo. Liderança não é um evento. Liderança é um processo! Entenda que não é que o crescimento não possa aparecer de repente, mas você precisa passar por um processo para que o crescimento apareça. Aprenda a obedecer as ordens simples. Aprenda a ser fiel nas pequenas coisas, porque quem não é fiel nas pequenas coisas, tampouco é fiel nas grandes coisas. Quando Deus te dá o micro, Ele te dá as mesmas batalhas em intensidade menor para que você saiba enfrentar as grandes batalhas da vida.

Nós nos transformaremos em algo que estamos construindo hoje. As decisões certas aplicadas diariamente formam o sucesso. O sucesso é uma sucessão de acertos! O fracasso não significa um erro, mas uma sucessão de erros. A Bíblia diz que se você for sensível, ouvirá uma voz dizendo: Este é o caminho, andai por ele. A maior prova de que você é filho de Deus não é a de que você não erra, mas é a de que todas as vezes em que você comete um erro, alguém falará a você: Lembra-te de onde caíste e volte atrás para as primeiras obras. Faça a decisão correta a cada dia. Os pequenos esforços repetidos completarão todo o trabalho. O que vale é o que você aprende depois de saber tudo! Tomar a decisão certa influencia a sua família, igreja e negócios. Ninguém alcança o topo da montanha chegando de para-quedas! Escala-se uma montanha dando um passo de cada vez. Pode ser difícil? Sim, afinal de contas é uma subida! Mas a vida fica cada vez mais dura quando você estiver próximo do topo.

Flávia Aleixo.

Published in: on março 20, 2012 at 20:04  Deixe um comentário  

Não é normal!

I Coríntios 3:18: “Ninguém se engane a si mesmo. Se alguém dentre vós se tem por sábio neste mundo, faça-se louco para ser sábio.” Assista a esse vídeo para entender a mensagem: http://tvuol.uol.com.br/assistir.htm?video=bob-esponja–nao-e-normal-0402183864D4919307

A primeira coisa que chama atenção no desenho do Bob Esponja é que ele, ao se levantar pela manhã, começa o dia com a sua gargalhada louca e atitudes loucas! A loucura por Jesus é inerente a um louco. O louco não precisa se lembrar que é louco, porque já é louco! Aquilo que você fizer de loucura pela manhã determinará o resto do seu dia. Por exemplo: Oração no fim do dia é corretiva. Oração no início do dia é preventiva! No desenho podemos ver que o Bob Esponja se levanta com uma gargalhada louca e corre igual a um doido em volta de sua casa. Como você se levanta pela manhã? A forma como você se levanta fala do seu estado de espírito e da pessoa que você é. Se você, verdadeiramente, é louco por Jesus Cristo, já acordará louco por Ele! Lutero dizia: “Tenho tantas coisas para fazer hoje que vou passar as três primeiras horas do dia em oração”. Você precisa decidir como quer acordar pela manhã! Deixa Deus te “pilhar” e te enlouquecer a partir do início do seu dia.

A segunda coisa que podemos perceber é que o Lula Molusco fica incomodado com a loucura do Bob Esponja. A risada, gritaria e a presença dele incomodaram! O seu Cristianismo tem incomodado a alguém? A sua leitura bíblica irrita a alguém? A forma como você adora a Deus irrita a alguém? Quando Deus simpatiza com algum servo deLe sabe qual é o selo de aprovação do “Inmetro” que Ele dá a essa pessoa? O selo da perseguição! Até que você seja perseguido, caluniado e zombado você ainda não é tão louco por Jesus como deveria ser. Quem está irritado com a sua cantoria ou loucura? O mundo e as igrejas estão lotados de “Lulas Moluscos”, lotados de gente chata, legalista e que não quer saber de coisa séria com o Senhor. Se você for louco por Jesus ignore o que esse povo diz e vá adorar ao seu Deus.

A terceira coisa que vemos no desenho é que o Lula Molusco tira satisfações com o Bob Esponja e o convence a abandonar a sua loucura e a buscar a normalidade. Lula Molusco diz ao Bob Esponja: – “Existem dois tipos de pessoas: os normais e você!”. Sabe o que isso quer dizer? Que existe o “você normal”, que é uma ameba, e existe o “você surtado”! Há o “você versão vulcão de amor por Jesus Cristo que está extinto”, ou seja, ele existe, mas está debaixo do ex-namoro que te esfriou, das lutas familiares que te desanimaram, da falta de dinheiro, da sua baixa autoestima, etc. Mas existe a pessoa que já levanta surtada por Jesus Cristo. Qual desses “vocês” você tem alimentado em sua vida? Você é hoje a sua versão mais apaixonada por Jesus ou você ainda está comedido, certinho? O mundo está cansado de dois tipos de pessoas: as normais e as loucas pelo projeto errado! Por exemplo: Futebol. Futebol é legal? Sim! Mas é só isso! Há pessoas que matam e morrem por causa de futebol. Vale a pena isso? Claro que não! As pessoas estão loucas por coisas fúteis!

A quarta coisa que podemos observar no desenho é que o Bob Esponja assiste a uma fita sobre “Como se tornar normal” baseado na vida do senhor Joe Mediano ou senhor Normal. O diabo tem uma fita para você assistir baseado na vida do senhor Mediano. Até o seu cabelo e risada são tediosos! Você precisa ter um amor descontrolado pelo Filho de Deus! Um amor que te leva a viver acima de qualquer coisa. Você já levou a sua fé até as últimas conseqüências? Como está o seu caráter hoje? Você faz o que todo mundo faz? Você é um Joe Mediano? Você está na média junto com todo mundo? O diabo está querendo colocar você numa “jornada para a normalidade”! Não queira ser mais um na multidão.

A quinta coisa que acontece com o Bob Esponja é que ele começa a viver uma vida normal e isso assusta até ao Lula Molusco. Bob Esponja estava muito quieto! Quanto mais louco por Jesus, mais louco você é! A depressão está associada a quê? Você vê uma pessoa deprimida na rua? Uma pessoa deprimida fica parada porque a alma começa a criar fungo, mofo! Você sabe como é o domingo de uma pessoa normal? Ela só se “enche” de Deus na igreja! O que é isso? Absurdo total! Você precisa se levantar no domingo como se não houvesse igreja! Leia a sua Bíblia e ore. Você sabe o que é culto? Culto é a cereja do bolo e não o arroz com feijão! O arroz com feijão você come com Deus no seu quarto, no secreto, na doideira com o Senhor! ACORDA! Um louco por Jesus quando chega ao fim da vida diz: Combati o bom combate, terminei a missão e guardei a fé. Sabe o que uma pessoa normal diz quando chega ao fim da vida? Combati pessoas, terminei sozinho e só guardei dinheiro.

Outra cena que chama a atenção no desenho é que o Bob Esponja começa a fazer hambúrguer com siri normal no computador. A única coisa que o Bob Esponja faz na vida, direito, é gargalhar e fazer hambúrguer de siri, mas ele faz isso com o coração! É por isso que o restaurante, o Siri Cascudo, arrebenta de vender! É porque o Bob Esponja coloca a alma dele no que faz! Como ele resolveu ficar normal, as obras dele também começaram a ficar normais. Nós não podemos esperar resultados anormais de vidas normais! Morte anormal é resultado de uma vida anormal. Porque muitas vezes os heróis da fé foram mortos, sacrificados, guilhotinados e queimados? Porque viveram vidas loucas e tiveram a honra de receber morte louca! Você faz as coisas com paixão, com amor, como se fosse para Cristo? Você não precisa ser um pregador, mas o que você faz está sendo um “hambúrguer de siri” de papel? Gente normal produz coisas normais, mas o resultado do que as pessoas loucas produzem são surpreendentes!

Em outra cena podemos observar que a casa do Bob Esponja fica normal. O Bob Esponja mora dentro de um abacaxi, mas quando o Lula Molusco se aproxima dele, a casa dele está toda fofinha, certinha! Preste atenção e tente perceber se você não está se tornando apenas uma pessoa com boas maneiras, porque você pode estar confundindo ser certinho com Deus! Afaste-se das pessoas que tentam colocar um freio na sua loucura por Jesus Cristo!

A normalidade começa a mudar o Bob Esponja em outra cena. Ele era quadrado engraçado e torna-se redondo e sem graça! Você é conhecido pela sua risada engraçada ou pelo seu constante choro ou testa enrugada? A sua loucura por Jesus Cristo precisa ser a sua alegria! Você pensa em como será o seu último dia de vida? Há uma frase que diz: “A preparação para o nosso último dia deve ser o assunto de todos os nossos dias.” E o que nós fazemos? Ignoramos o nosso último dia! A normalidade nos deforma e não a loucura. O Bob Esponja virou um esquisito!

Em outra cena podemos observar que a normalidade do Bob Esponja afasta todo mundo de perto dele! Além disso ele é demitido e perde tudo! É nessa hora em que o Bob Esponja se cansa de sua vida “normal”. Nem o amigo dele, o Patrick, consegue mudá-lo e nem o Lula Molusco! O Bob Esponja pede ajuda profissional ao amigo Patrick! O que você pensa do seu Cristianismo? Como é que está a sua loucura por Jesus Cristo?

Após o Bob Esponja pedir ajuda ao Patrick vemos, na cena seguinte, que Patrick o ensina a fazer loucura novamente! Você tem feito loucuras por Jesus Cristo? Você precisa fazer algumas loucuras por Ele sem que alguém precise pedir isso a você! Use todas as ferramentas que você têm para falar do amor de Deus. Eu, Flávia Aleixo, por exemplo, uso o meu Facebook, Blog e Twitter para fazer isso. O que você tem feito para Ele? Sabe o que o Bob Esponja precisou fazer para voltar a ser louco? Ver e observar a vida dos normais! Ele olhou para o Lula Molusco normal e pensou: Eu vou virar esse nojo? Estou fora! Se os heróis da fé não te inspiram, você precisa olhar para onde está indo este mundo e decidir se você quer ser um homem ou uma mulher de Deus! O nosso Deus fez a maior loucura desse mundo que foi enviar o seu único Filho por nós!

O apóstolo Paulo em II Coríntios 11, a partir do versículo 16 fez a lista dele de loucura. O que é a normalidade? É cópia, tédio, obrigação! É estar com a motivação comprometida. É não chamar atenção! O que é loucura? É ser inconformado! É mudar o padrão de pensamento e ação! É viver por algo maior do que si mesmo! É estar disposto a ir até as últimas conseqüências pelo que você crê. Como é que está o seu amor por Jesus? Toda a nossa loucura e amor dependem disso!

Eu prefiro ser quadrada, ter uma risada engraçada e alegrar ao meu Deus todos os dias, ao me levantar, do que ser mais uma na multidão! Segure o meu beijo aí no céu, Deus, e vamos dançar! Obrigada por este dia maravilhoso, Jesus Cristo!

Em Efésios 6:24 está escrito: “A graça seja com todos os que amam a nosso Senhor Jesus Cristo em sinceridade. Amém.”

Flávia Aleixo.

Published in: on março 19, 2012 at 06:56  Deixe um comentário  

Defensoria Pública em prol de Youcef Nadarkhani condenado à morte no Irã por razões religiosas

Acabo de saber que meu grande amigo, Welbio Coelho, no dia 28 de fevereiro de 2012, expediu ofícios às seguintes autoridades rogando intervenção no caso:

– Dilma Rousseff, Presidenta da República
– Senador José Sarney, Presidente do Senado Federal
– Deputado Marco Maia, Presidente da Câmara dos Deputados
– Embaixador Celso Amorim, Ministro das Relações Exteriores
– Ministro José Eduardo Cardozo, Ministro da Justiça
– Ministra Maria do Rosário, Ministra da Secretaria Especial dos Direitos Humanos
– Mohammad Ali Ghanezadeh, Embaixador da República Islâmica do Irã
– Luiz Inácio Lula da Silva, Presidente de Honra do Instituto Cidadania

Veja o vídeo com a matéria feita pelo Jornal Nacional (Rede Globo):

Vamos levantar um grande clamor pela vida do pastor Youcef Nadarkhani para que tudo acabe bem. A oração de um justo pode muito em seus efeitos e eu creio que a vontade de Deus é a melhor para nós. Deus, acampe os Teus anjos onde ele estiver para que ninguém faça mal a ele, em nome de Jesus! Amém. A última informação divulgada foi esta: “Até a tarde sábado, março 3, 2012, fontes do ACLJ no Irã confirmaram que o pastor Christian Youcef Nadarkhani ainda está vivo.”

Parabéns, Welbio! Louvável a sua atitude. O mundo PRECISA de pessoas como você. Deus te abençoe poderosamente!

Flávia Aleixo.

Published in: on março 6, 2012 at 06:49  Comments (7)  
%d blogueiros gostam disto: