Eu e Mônaco… caso eterno de amor!

Pirei com esta corrida de hoje da F-1! Lembro-me de cada minuto, detalhes e locais que conheci quando estive em Mônaco. Um lugar lindo e inesquecível. Fiz esta viagem sozinha, na louca! Conheci pessoas maravilhosas as quais tenho amizade até hoje e morro de saudades.

Ganhei um presente do Presidente do Casino Monte-Carlo e, até hoje, ele carrega o “regalo” que entreguei a ele: um colar e pingente de ouro do mapa do Brasil. Fiquei tão surpresa e feliz que minha reação foi tirar o colar do meu pescoço e entregar a ele.

Conheci a sala reservada de jogos, onde os “trilhardários” e famosos entram para jogar. Infelizmente não pude tirar fotos lá dentro porque é proibido, mas minha mente e memória fotográfica não me deixam esquecer tamanha beleza e emoção… ai, ai… vamos à corrida!

Assim como fez em Barcelona (lugar perfeito também), o australiano Mark Webber liderou de ponta a ponta o GP de Mônaco, neste domingo, e levou a RBR para o topo dos dois campeonatos: o de pilotos e o de construtores. Logo atrás estava Sebastian Vettel, agora vice-líder do mundial, seguido pelo polonês Robert Kubica.

Felipe Massa chegou em quarto lugar e pulou para o quinto na classificação. Fernando Alonso, seu companheiro da Ferrari, estava em sexto, atrás de Lewis Hamilton, da McLaren, mas no fim da prova, quando o safety car saiu e a luz verde voltou, Michael Schumacher, da Mercedes, ultrapassou Alonso que caiu para sétimo. A manobra de Schumi ainda será avaliada, e o resultado poderá ser alterado.

Rubens Barrichello, da Williams, abandonou após bater na 31ª volta, por causa de uma quebra de suspensão no carro. Bruno Senna, da Hispania, e Lucas Di Grassi, da VRT, também não conseguiram completar a prova.

A seguir… algumas fotos em Mônaco!

Dia em Mônaco:

Foto: Flávia Aleixo. Esses eram os menores... pense!

Pôr-do-Sol em Mônaco:

Foto: Flávia Aleixo. Pôr-do-Sol... indescritível!

Foto da pista:

Foto: Flávia Aleixo. Será que sou viciada?

Noite em Mônaco:

Foto: Flávia Aleixo. Nunca mais esqueço...

Foto: Flávia Aleixo. Ainda comprarei minha mansão!

Foto: Flávia Aleixo. Caminhando, conhecendo o local e chegando ao Casino Monte-Carlo...

Mais da corrida de hoje…

A largada nas ruas de Mônaco transcorreu sem tumulto. Webber manteve a ponta, mas Kubica demorou a sair e acabou perdendo a segunda posição para Vettel. Preso pelo polonês, Massa optou por se manter em quarto lugar e se defender do ataque de Hamilton. O maior vencedor na saída foi Barrichello, que pulou de nono para sexto, aproveitando a disputa entre Schumacher e Nico Rosberg, companheiros de Mercedes.

Ainda na volta inicial, contudo, Nico Hulkenberg perdeu o controle de sua Williams e bateu de frente no muro, provocando a primeira das quatro entradas do safety car na pista. Alonso aproveitou e entrou nos boxes para fazer logo sua troca de pneus.

Na terceira volta, ainda com o safety car, Button parou logo após a Sainte Devote com muita fumaça saindo de sua McLaren. O então líder do campeonato abandonou a prova por um erro infantil da equipe, que simplesmente esqueceu de tirar a tampa de um dos radiadores e causou superaquecimento no motor do piloto britânico.

O carro de segurança só saiu da pista na oitava volta, e Alonso, 20º, continuava sua marcha de recuperação. A primeira vítima, logo na relargada, foi Karun Chandhok, da Hispana. Di Grassi deu mais trabalho e segurou o espanhol da Ferrari por duas voltas. O bicampeão mundial se irritou com o brasileiro e chegou a fazer gestos com a mão direita. Ele só conseguiu a ultrapassagem na saída do túnel, após um vacilo do piloto da VRT.

Com Jarno Trulli, a ultrapassagem de Alonso foi bem mais fácil, e àquela altura só faltavam dois carros para o espanhol superar as estreantes. Ele conseguiu resolver sua vida em dois tempos: deixou Timo Glock para trás na 15ª volta, e superou Heikki Kovalainen na 16ª. Duas passagens depois, com a sequência de pit stops dos rivais, veio o pulo do gato: Alonso aproveitou que já tinha parado no início da prova e deu um salto para a sexta posição.

Quem abriu as paradas na 18ª volta foi Lewis Hamilton, seguido por Schumacher e Barrichello. O inglês conseguiu voltar à frente de Alonso, na quinta posição. Em quarto, Massa fez uma boa parada na 20ª e se manteve à frente do inglês da McLaren.

Kubica fez sua parada na 22ª passagem, uma antes de Vettel. Em seguida foi a vez do líder Webber, que não foi ameaçado e manteve a ponta. Rosberg chegou a ficar em segundo, mas demorou para fazer sua troca de pneus e acabou superado por Schumi, caindo para oitavo.

Na 31ª volta, o safety car entrou pela segunda vez. Nono colocado, Barrichello teve a suspensão traseira esquerda quebrada na subida para a curva Massenet e bateu forte. Parado na contramão, o brasileiro jogou na pista o seu volante, que acabou colhido pelo carro de Chandhok. Pouco depois, ele admitiu a frustração, mas garantiu que só jogou o volante para sair daquela posição o mais rápido possível. Apesar do acidente, a bandeira amarela foi rápida, e a relargada foi autorizada na 34ª passagem.

As posições foram mantidas no reinício da corrida, com Webber puxando a dobradinha da RBR. Na 43ª volta, lá foi o safety car para a pista pela terceira vez, por um motivo comum em grandes cidades: a tampa solta de um bueiro na curva Massenet, mesmo lugar da batida de Rubinho.

Duas voltas depois, as posições se mantiveram mais uma vez. Em um circuito onde as ultrapassagens são complicadas, os pilotos preferiram não se arriscar. Kubica até tentou pressionar Vettel, mas o ímpeto do polonês logo acabou. Com uma enorme vantagem, Webber se deu ao luxo até de poupar os freios, muito exigidos no circuito monegasco.

A três voltas do fim, veio o tumulto, com um acidente entre Karun Chandhok e Jarno Trulli, os dois últimos colocados. O safety car foi acionado novamente. Não houve tempo para uma relargada, por causa da retirada dos carros, e Webber cruzou a linha de chegada em primeiro com tranquilidade. Antes do fim da prova, contudo, Alonso cometeu um erro e foi ultrapassado por Schumacher, perdendo a sexta posição para o alemão, que será investigado pela manobra supostamente em bandeira amarela.

Ainda comprarei minha mansão em Mônaco… pode escrever! Agradeço a Deus por todos os momentos e oportunidades que tive nesse lugar e assino: Deus é fiel, maravilhoso, conselheiro, Deus forte, Pai da Eternidade e Príncipe da paz. Em breve “é nóis” de novo, Papai!

Flávia Aleixo.

Anúncios
Published in: on maio 16, 2010 at 12:03  Comments (1)  

The URI to TrackBack this entry is: https://flaviaaleixo.wordpress.com/2010/05/16/eu-e-monaco-caso-eterno-de-amor/trackback/

RSS feed for comments on this post.

One CommentDeixe um comentário

  1. Pôxa.
    Tu já foi prá Mônaco e nem me convidou???

    Luciano – Curitiba – PR


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: