PMs são detidos e ouvidos sobre tortura e morte de rapaz dentro de quartel em SP

SÃO PAULO – Nove policiais militares foram detidos e levados a prestar depoimento à Corregedoria e à polícia civil sobre a morte de Eduardo Luiz Pinheiro dos Santos, de 30 anos. O rapaz, um motoboy, teria sido detido no último dia 9, durante uma discussão na rua por causa do desaparecimento de uma bicicleta. No momento do bate-boca, uma viatura da PM passou pelo local e levou Eduardo e mais três pessoas. Porém, no lugar de levá-los ao 13º Distrito Policial (Casa Verde), que fica na mesma rua da ocorrência, eles foram levados para o quartel da PM, que fica anexo.

No 13º DP não há qualquer boletim de ocorrência. Os outros rapazes presos dizem que todos foram levados, mas Eduardo, que estava mais exaltado e teria desacatado os PMs, foi separado dos demais e começou a apanhar.

– Só o Eduardo (foi algemado). Ele acabou falando meio alto, acabou desacatando a autoridade. Na hora da abordagem os PMs falaram: ‘chegando lá (na delegacioa) vocês vão falar com o próprio delegado’, mas não tinha delegado nenhum – diz o rapaz.

– Levaram para o fundo e ali mesmo deram uns chutes nele, umas bicas e tal – diz a testemunha, que afirma ter presenciado a agressão.

– Ele gritava pela mãe dele, que estava doendo, que não precisava fazer isso. Ele apanhou muito, eu não queria estar na pele dele.

Por volta de 0h12m de sábado, a 3 km do quartel, policiais militares do mesmo batalhão registram o encontro de um homem negro, jogado na calçada. Segundo os policiais, ele não tinha documentos. Eduardo foi levado a um pronto-socorro, onde chegou morto e sem identificação. O corpo estava com hematomas na região do crânio, equimoses – ou manchas de sangue internas – nas costas e nas pernas, sangramento nasal e ferimento no joelho esquerdo. O médico indicou trauma no crânio ou hemorragia como possível causa da morte.

A família de Eduardo passou a procurar por ele. Soube da prisão e foi até a polícia na segunda-feira.

– Disseram que não tinha nenhum registro, nada que provasse que ele tivesse estado lá. Nem na delegacia, nem na companhia da PM – diz a mãe de Eduardo.

O corpo de Eduardo foi achado na terça, no Instituto Médico Legal (IML).

A delegada Elisabete Sato afirmou que foi pedida a escala dos 14 policiais em plantão naquele dia, as fotos de todos e a relação das viaturas.

O major Reinaldo Sychan, da Corregedoria da PM, diz que as versões dos PMs serão checadas com os registros de ocorrências do dia.

– A postura institucional nossa é bem firme. Apurar com serenidade e responsabilidade para que a sociedade tenha resposta à altura – disse o major.

Fonte: O Globo / Bom Dia São Paulo

Published in: on abril 23, 2010 at 09:59  Deixe um comentário  

The URI to TrackBack this entry is: https://flaviaaleixo.wordpress.com/2010/04/23/pms-sao-detidos-e-ouvidos-sobre-tortura-e-morte-de-rapaz-dentro-de-quartel-em-sp/trackback/

RSS feed for comments on this post.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: