Gurgel defende intervenção e diz que eleição agravou situação de Brasília

O procurador-geral da República, Roberto Gurgel, afirmou nesta quarta-feira (21) que a intervenção no Distrito Federal continua a ser necessária apesar das eleições indiretas que escolheram Rogério Rosso (PMDB) como o novo governador do DF. Ao tomar posse nesta segunda (20), Rosso disse que iria procurar Gurgel e ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) para convencê-los de que a medida não seria mais necessária.

“Não fui procurado ainda. Se for, vou recebê-lo. Mas minha posição dificilmente vai mudar porque a intervenção independe da pessoa do governador mas sim do processo pelo qual ele foi escolhido”, afirmou, após cerimônia em homenagem aos 50 anos do Supremo Tribunal Federal. “Não tenho nada contra a pessoa. A intervenção é um remédio amargo, mas é o único caminho diante da gravidade da situação”.

Segundo o procurador-geral, as eleições indiretas realizadas pela Câmara Legislativa do DF agravaram a situação de Brasília. “A eleição antes de apontar para a normalização, aponta para um agravamento. Dos 13 deputados que votaram em Rosso, oito são pessoas envolvidas no processo”, disse.

O Distrito Federal enfrenta uma crise política desde que a Polícia Federal deflagrou, em novembro de 2009, a Operação Caixa de Pandora. A PF investiga um suposto esquema de distribuição de propina no governo distrital, envolvendo o primeiro escalão do Executivo local. As denúncias levaram à prisão e afastamento, por determinação do Superior Tribunal de Justiça (STJ), do então governador José Roberto Arruda (sem partido, ex-DEM) por tentativa de suborno de uma testemunha do caso em fevereiro.

Dias depois, o vice-governador Paulo Octávio (sem partido, ex-DEM) renunciou ao cargo, assumindo interinamente o então presidente da Câmara Legislativa, Wilson Lima. Durante a prisão, Arruda teve o mandato cassado pelo TRE-DF por infidelidade partidária, deixando vago o cargo. José Roberto arruda foi solto pelo STJ nesta segunda-feira (12), após dois meses preso.

No último sábado (17), Rosso foi escolhido em eleição indireta na Câmara Legislativa para assumir o governo do DF em um mandato tampão que vai até o dia 31 de dezembro. Rosso é advogado e ocupa cargos na administração pública do DF há cerca de 10 anos. No último governo de Joaquim Roriz, foi secretário de Desenvolvimento Econômico e administrador de Ceilândia e, na gestão Arruda, presidiu a Companhia do Desenvolvimento do Planalto Central (Codeplan).

Presente à comemoração dos 50 anos do Supremo, o vice-presidente da República, José Alencar, disse torcer para que a corte vote contra o pedido intervenção no DF. “As coisas estão no seu devido lugar. Estamos vivendo a democracia plena. Torço, sinceramente, que não haja intervenção”, afirmou.

O pedido de intervenção foi feito pela Procuradoria Geral da República diante dos desdobramentos do escândalo de corrupção no DF. Não há data para que o assunto seja julgado pelo STF.

Fonte: G1

Anúncios
Published in: on abril 22, 2010 at 09:20  Deixe um comentário  

The URI to TrackBack this entry is: https://flaviaaleixo.wordpress.com/2010/04/22/gurgel-defende-intervencao-e-diz-que-eleicao-agravou-situacao-de-brasilia/trackback/

RSS feed for comments on this post.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: